sábado, outubro 14, 2006

 

QUITAS



Vivia numa pequena aldeia, perto do mar. A Escola era longe e velha e só lá fez a 3ª classe, que naquele tempo não era obrigatório e o pai precisava dela para trabalhar as terras donde tirava algum sustento para a família. O local era ermo, pedregoso, as brumas do mar vinham repentinamente trazidas pelo vento e tudo queimavam. Na estrada, único elo de ligação com o exterior contavam-se pelos dedos os carros que passavam; naquela dimensão , todos eram primos e primas, todos se conheciam a dedo.

Um dia , apanhou o comboio para Paris. Ficou estarrecida à chegada com o transito, o bulício, as luzes, as palavras e os sons, desconhecidos. Pegou na maleta e foi seguindo os outros passageiros que saiam por uma porta que dizia : SORTIE. Percebeu logo o que queria dizer.



Depois de instalada num quarto de aluguer barato e de ter começado a trabalhar nas ménages como mulher de limpeza, chegou o almejado domingo. Foi dar uma volta pelo quartier e sentiu saudades da santa terrinha. Viu o Diário de Noticias à sua espera num quiosque e levou-o para casa, apesar do preço demasiado alto para as suas posses. Gostava de ver os noticiários mas não entendia o que diziam e se assim pensou , melhor o fez. Foi comprar um dicionário e à noite , em casa, entretinha-se a traduzir os jornais e revistas antigos que trazia de casa das patroas. Assim aprendeu a ler e a falar francês.
Assim a conheci, anos mais tarde já em Portugal, a ler a Marie Claire francesa ou o Le Monde que uma hospedeira da Tap lhe trazia dos aviões.

Quitas era uma mulher destacada, tinha a força de um homem, os traços das mouras que outrora habitaram a região. Vivia sozinha, trabalhava as terras que os pais lhe deixaram, apanhava Percebes no mar e míscaros no pinhal, no inicio do Outono. Vendia tomate, batata, maçã , espinafres – o que a Terra desse, lutando sempre.

Um dia , as taxas de juro começaram a descer, achou que era uma vergonha não poder juntar mais dinheiro para deixar aos sobrinhos. A sua vida parou ali, deixou de lutar.

Para saber mais sobre SINTRA de outros tempos , basta clikar para ver mais fotos e conhecer melhor estes locais.

Outras historias de Mulheres no blog da Melga

Comments:
Greentea,

Gostei muito da sua história.

Curiosamente tive uma prima em 2º grau que também se chamava Quitas e ia apanhar míscaros, no tempo deles.
Ela não emigrou mas quase todos os descendentes foram para França e para o Brasil.

Beijinho.
 
Percursos da Vida...
E do que hoje somos...

O pormenor das fotos está magnífico!
E esta nossa costa é inconfundível,
e a neblina também!

Beijinho greentea.
 
Já não se fazem mais Quitas como antigamente.

beijos de fim de semana
 
Voltei hoje pensando encontrar os dados de nascimento completo dos gemeos.
Nada encontrei e nem nos Postais da novalis.
Não creio em coincidências. Ontem recebi telefonema de minha comadre que tem 43 anos. Recentemente ela descobriu que tinha uma anomalia congênita no coração. Teve que colocar um marca passo e um desfibrilador para evitar a chamada "morte súbita". Ela o fez há alguns meses. Pois bem, no dia 9de setembro às 18h e 47 minutos ( hora do marcapasso) ela teve o que seria um infarto fulminante. Ficou "morta" por 9 segundo e o desfibrilador a ressuscitou. Seria o momento semelhante ao da morte da mãe dos gêmeos? Apenas uma analogia? Algum sinal?
Caso seja possível me dê alguma notícia sim? um beijo e obrigada. Angela
 
las imagenes son bellas
y ver Sintra en otra epoca que increible
cada vez muestras y cuentas cosas increibles
Portugal para mi sigue siendo lo mas bello, tiene una geografia hermosa
eres muy linda amiga
besitos y todo mi cariño, que sea un buen domingo



besos y sueños
 
Greentea

Gostei desta história, simples e clara como a protagonista. A saudade está sempre presente quando se contam histórias de emigração. Sei o que isso é, tenho familiares emigrados.

Já tenho conseguido resolver algumas falhas técnicas no meu blogue. Obrigada pela ajuda.

Beijinhos domingueiros
 
Muito interessante, adoro ler as histórias! É incrível como sua Terra me atrai acho que tah no sangue que trago desse Continente...
Obrigada pela visita e volte sempre!
 
Histórias de vida que nos deixam sempre a reflectir...

Bom fim-de-semana
 
Greentea

Sabe bem, ao Domingo e não só, ler estas vidas de Mulheres!

Quitas uma mulher de luta, que nem ao Domingo descansava, tenho quase a certeza.
Há muitas assim, sempre a trabalhar até que um dia a vida as faz parar...

Bom Domingo, Melhor Semana!

~*Um beijo*~
 
as mulheres tem (algumas) historias de maravilha


bom domingo
 
Algo de mágico nos perpassa... e não estás tu em terra de magia? de bruma? Olha que fui eu que te descobri, estou toda orgulhosa! E não foi por acaso...Sem te saber, por causa dos gostos, dos livros e de Sintra. Um beijinho para ti esta noite de domingo é custosa.
 
Que estranha forma de vida...!!!

Obrigado
Paulo
 
Fatimidas.
Deve ler sobre a matéria.
PS: obrigado pela visita
Paulo
 
Muito bem, e parabéns à Alagamares!
 
Greentea:
a minha leitura hoje demorou-se por aqui, estive a ler o post anterior, a história dos 2 gémeos...impressionante, como as coisas acontecem!!!

E, esta história, tão linda e comovente. Percursos da Vida!!!
Abraços.
 
PAULO

VOU LER, obrigada pela informaç~~ao
TEM UMA BOA NOITE
 
MARIA P

O BLOG DA ALAGAMARES ESTA EXCEPCIONAL E TEM IMENSA INFORMAÇAO SOBRE ESTA REGIAO E MUITOS OUTROS TEMAS TAMBEM. a DIVULGAR!!!
BEIJOS PARA TI
 
KALINKA

Nada acontece por acaso, mas faz-nos mexer por dentro !!

Um beijo para ti
 
Esta imagem é mto parecida c/ tera da minha mae, mto prox da Ericeira, e o curioso é que identifica perfeitamente a vida daquele litoral, e ate havia (nao sei se ainda ) a "Ti Quitas". Transportou-me para a m/ infancia...
Beijinho*
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?