terça-feira, outubro 24, 2006

 

AMOR DE PAI


Ontem, 21 horas
“Vou-me deitar, estou esquisito, não sei o que tenho. Se me fizesses um chazinho…não daqueles de pacote, dos outros , os de ervas, que tu sabes…”
Pus de lado a malha, minha terapia ideal para os dias de stress e fui fazer o dito chá. De sabugueiro com uma pitada de cavalinha e uma colher de mel da serra, para lhe revolver os humores.. Dormiu tranquilo toda a noite!

Hoje , pelas 7h da manhã

Desligo o despertador e oiço-o dizer : “Não me vou levantar, não me sinto bem, não sei o que tenho” e ficou a dormir.

9.30 da manhã
Acabei de lhe arranjar uma torrada e um pouco de leite com um medicamento lá dentro, para o “aliviar”, que ele é sugestionável, nestas matérias…e vim aproveitar o pouco tempo que me resta antes de sair.
Que ele não tem doença nenhuma; ficou “doente” porque ontem a menina dos seus olhos seguiu o seu percurso e passa agora a regime de meia pensão, ie, semana fora perto da Faculdade, fim de semana sempre que possível em casa dos papás. Ela está muito bem, em casa de pessoa conhecida, amorosa, maternal, mas que a deixa à vontade que esta miúda-crescida é muito independente e responsável, preocupada com os estudos, os amigos que a ela recorrem como consoladora dos aflitos e que me declarou que não queria comidas feitas pois era altura de aprender a cozinhar, senão comeria na Fac.

Aceitei o desafio, compreendendo que esta é a melhor solução. Revi o meu dia a dia e encaixei-lhe outras actividades , para não ter tempos mortos , tentando tirar partido . Ele, só agora se apercebeu que a filha não estará em casa à hora do jantar, quando ele chega e que o serão será mais silencioso sem se ouvir as suas músicas enquanto estudava ou o teclado do computador enquanto digitava os trabalhos da escola ou contactava com os amigos…



Um homem com gripe.


Pachos na testa, terço na mão,
Uma botija, chá de limão,
Zaragatoas, vinho com mel,
Três aspirinas, creme na pele
Grito de medo, chamo a mulher.
Ai Lurdes que vou morrer. Mede-me a febre, olha-me a goela,
Cala os miúdos, fecha a janela,
Não quero canja, nem a salada,
Ai Lurdes, Lurdes, não vales nada.
Se tu sonhasses como me sinto,
Já vejo a morte nunca te minto,
Já vejo o inferno, chamas, diabos, anjos estranhos, cornos e rabos,
Vejo demónios nas suas danças
Tigres sem listras, bodes sem tranças
Choros de coruja, risos de grilo
Ai Lurdes, Lurdes fica comigo
Não é o pingo de uma torneira,
Põe-me a Santinha à cabeceira,
Compõe-me a colcha,
Fala ao prior,
Pousa o Jesus no cobertor.
Chama o Doutor, passa a chamada,
Ai Lurdes, Lurdes nem dás por nada.
Faz-me tisana e pão-de-ló,
Não te levantes que fico só,
Aqui sozinho a apodrecer,
Ai Lurdes, Lurdes que vou morrer

Poema de Antonio Lobo Antunes

Comments:
Entendo, entendo...bdia, bjinho.
 
:-))))
O que seria dos homens sem as mulheres. Pelos vistos a mamã tem o coração menos apertado que o papá, olha a sorte deste papá heinn.
 
Também fiquei "doente" assim. Só não tive quem me fizesse o chá.
Ah, esse silêncio!! Essa ausência de voz, de música! Quantas vezes desejei que ouvir o delicioso tilintar das chaves na porta?

Aloooô, Pitanga! Contenha-se, menina.

beijos que eu já vou...
 
Olhe,na pressa esqueci um (que) caído aí no chão!
 
Muito bom, excelente! Hommem é frouxo pacas pra doença e tudo mais. O meu tem que ser o chá de camomila feito com a camomila seca da fazendinha da família, que a madrinha colheu e secou. Um pouco de mel. Cê já viu? Um tripudo jovem de 1,95m falando com voz alquebrada como se fosse morrer?

É atençnao que eles querem, só isso, já que chamar mamãe pega mal. A gente até que se diverte.

Meu post cheio de links do Dylan ficou pronto. Lá no UA mesmo. Beijos, querida.
 
Olá!!

Adorei o poema..

Quanto ao papá... Pois é!!

São sempre assim... fazem-se de fortes, mas no fim de contas...

Beijos Cósmicos
 
Cheguei a este blog através da Maria de São Pedro, adorei o 'amor de pai', verdadeiro e terno e este poema de Lobo Antubes é uma delícia que vou guardar.
 
Chá e miminhos, dá-lhe muitos miminhos que ele ficou semi-orfão de filha!Beijinhos, mãe que aguenta tudo!
 
125

parece que os homens sumiram hoje, depois deste amor e do poema...
isto ´´e mesmo caso patologico!
mas eu dou-lhe miminhos que ele merece. Tb sabe tratar de mim qd e preciso...
 
vague

ainda bem que vieste ca ter , tb gosto muito da maria de sao pedro e do golfinho...

adorei o poema do lobo antunes e tb adoro este amor de pai.
beijinhos para ti e volta semore
 
patricia

tira-lhe a carta e logo ves o efeito ...sao chamados fortes mas na hora as mamas e que dao a volta por cima !

bjs
 
Pois...
Se sei o que isso é...!
Chá? Sim, o pescador traz-me o chá e goza um pouco a minha saudade...
Mas sofre em silêncio a ausência das suas meninas...Tão longe!
Beijinho
 
tina

tal qual o poema, ja se ve...porque eles ficam logo a morrer . Vai valendo a camomila da madrinha para os nervos e a nos nem sei o que nos vale - um coraçao grande talvez e umas maos doces!

Um beijo para ti. Recebi o teu mail e ja la vou.
 
pitanga

sei que ficaste doente ...tinhas vindo ca para casa e tratava dos dois, que o desgosto e o mesmo

mas dona pitanga tem ummmmmmmmmma comitiva aqui sempre pronta a dar animo, coisa que este sisudo nao quer nem saber de blogs. por isso ficou assim sem geito...
 
sorrisos

nao consigo entrar no teu blog para responder...
a mama preparou-se devidamente pois ja sabia por que ia passar; foi at´´e a mama q deu a sugestao de a menina ficar perto da Fac para nao perder 3 horas nos caminhos para ca e para la. Mas e duro , sim. Nao estejas ja a fazer contas de cabeça a tua ...
 
pinto ribeiro

claro que entendes, homens doentes sao uma lastima...
 
girassol

saudade doi e casa vazia tb, mesmo qd os nossos pescadores nos trazem o cha...um bolinho ou ate ajudam mais a fazer o jantar, a preparar o dia de amanha...

beijos para ti
 
Greentea, nada se compara a um chá feito com carinho e folhas frescas. Beijos da Ursa da floresta distante! ;))
 
Merecemos.

Merecemos muitos chás e miminhos.

Merecemos.

Que não se entenda isto como uma voz contrária ao que aqui se escreveu.

Simplesmente, merecemos muito.

António
 
Nada que não se resolva com muitos miminhos e beijinhos.
Bjos.
 
angela

claro, um cha daqueles com tanto amor e carinho e uma delicia para a alma "tao doente da partida"...

mas ja esta melhor !

beijinhos
 
antonio

ALGUNS (!) eu disse alguns, merecem.

Claro que merecem mas outros mereceriam um chazinho ao qual se ia adicionando gradualmente , levemente um pinguinho de arsenico, como fez a outra do filme...

Sao uns queridos os homens doentes com uma ligeira indisposiçao um nao sei o que tenho o nao me consigo levantar...

mas hoje ja se levantou bem cedo e saiu!!
beijinhos para ti
 
carla

sim , sim... se eu estivesse doente tambem seria tratada com muito mimo!

e ja ficou melhor.
beijos para ti
 
Bom dia, bjinho.
 
Extraordinária a forma como conseguiste descrever essas emoções e situação. Parece que vi meu Pai nesse retrato.
Adorei recordar esse poema, que sempre achei genial.
Beijoca
 
Vá lá que o pai tem a mãe que lhe faça um "chá verde". Qd fui eu eramos os três (eu, o meu pai e a minha mãe), cada um a chorar p o seu lado. Eu estava a 4 horas de distância.
Beijitos.
 
Oi minha querida, adorei reler este poema... quanto ao amor de pai senti uma lágrima rolar - de saudade... beijo amiga.... (se puderes diz-me como escrevo no slide e como ponho título)... ainda outro beijo e bom-dia...
 
obrigada :)
vou copiar o poema para mim para o blog tb.
 
Pois é! Fazes-te forte, mas o "ninho vazio" também pesa para nós, mulheres. A minha solidariedade vai para ti, que ainda por cima, tens de esquecer as tuas próprias mágoas para aliviar a do "pai".
Um beijão
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?