sexta-feira, setembro 15, 2006

 

Presente de aniversário

Sempre se sentiu vivendo uma vida emprestada pelo marido : soberana absoluta de um vasto império de felicidade edificado por ele e só para ele. Sabia que ele a amava para lá de tudo, mais que ninguém no mundo, mas só para ele; a seu santo serviço.
Era um marido perfeito : nunca apanhava nada no chão, nem apagava a luz, nem fechava a porta. Na escuridão da manhã, quando faltava um botão na roupa, ela o ouvia dizer: “ A gente devia ter duas mulheres, uma para querer bem, outra para pregar botão.

À hora de comer não podia ser qualquer coisa, e sim o que ele queria, e sem a mínima falha: que a carne não soubesse a carne, que o peixe não soubesse a peixe, que o frango não soubesse a penas. Não punha a culpa nele: punha a culpa na vida. Bastava o tropeço de uma dúvida para que ele empurrasse o prato na mesa, dizendo : “Esta comida foi feita sem amor”.

Aborrecida com sua incompreensão, ela lhe pediu um insólito presente de aniversário : que ele fizesse por um dia os trabalhos domésticos. Ele aceitou divertido , e com efeito tomou posse da casa desde o amanhecer. Serviu um café esplêndido, mas esqueceu que ela não se dava bem com ovos fritos e não tomava café com leite. Deu logo instruções para o almoço de aniversário e tomou disposições para a arrumação da casa. Às dez
ainda não estava terminada a limpeza da casa nem a arrumação dos quartos, o banheiro estava por limpar, e ele esquecera de mandar botar o papel higiénico, trocar os lençóis e mandar o cocheiro buscar os filhos, e confundiu as tarefas das criadas: ordenou à cozinheira que fizesse as camas e pôs as arrumadeiras na cozinha. Às onze, quando já estavam a ponto de chegar os convidados, era tal o caos na casa que Fermina Daza reassumiu o comando, morta de rir, mas não com a atitude triunfal que teria querido adoptar, e sim trémula de compaixão diante da inutilidade doméstica do marido.
O amor nos tempos do cólera - de Gabriel Garcia Marquez

(Ah! se todas as mulheres reagissem como Fermina Daza e não começassem com excesso de paparicos logo no primeiro dia, com medo que eles fujam, talvez fosse diferente o amor em Portugal. Digo eu !)

O marido de Fermina Daza esqueceu-se de lhe trazer " O SOL " para o pequeno almoço...


Comments:
vinha no carro a ouvir "Ne me quitte pas" do Jacques Brel, por sinal cantada por uma americana... fiquei a pensar como há formas tão distintas de amar, desde o amor possessivo, obssessivo, o amor doentio que tudo oprime e aquele amor que nos dá a volta à cabeça, nos faz sentir mais leves, nos tira anos de cima e nos faz sentir livres , libertas e nos faz amar cada dia mais.
 
Amiguinha,

Dizes tu ... e muito bem. A esse marido ideal, só lhe faltava estar à mesa... numa enorme mesa redonda, porque a familia era numerosa. E gritar... Pão! Vinho! Fruta! etc. Para toda a gente se levantar para colocar sem o sff as coisas ao lado do seu prato.

Beijos e bom fim de semana. Gosto dessa canção pelo Jacques Brel... e para mim agora tem um significado especial, não me lembro bem da letra mas fala dum mal entendido?
 
perdida

ELE pede-lhe que não o deixe e oferece-lhe em troca cobri-lla de pérolas de chuva , fazê-la rainha etc etc

só para que ela não o deive e angustiado repete, implora : ne me quitte pas ne me quitte pas...
 
siempre quedan esos maridos ideales en este mundo, a veces se pierde esa magia dentro del mundo tan rapido que hoy se vive.
gracias amiga linda por tus saludos, todo lo mio fue muy rapido, mi brazo izquierdo quedo sin movimiento por el accidente que tuve, pero hoy ya estoy mejor
dandome mucha fuerza y disfrutando mi casa, gracias a Dios todo esta mejor.
gracias por tu apoyo y cariño amiga linda
mil besitos y un lindo fin de senama


besos y sueños
 
Que puedo decirte, solo puedo expresar lo feliz que se siente que los textos de un coterraneo se lean en el mundo, eso te da ciertas fuerzas.

Besos felinos Colombianos
 
Cada vez mais me fica patente a inutilidade dos homens exceto pela perpetuação da raça humana. Porém, como a raça humana é um estrago ao planeta...

Certo, não é tão ruim assim, podia ser pior :P
 
Greentea

Já lá fui deixar votos de melhoras à tua amiga Freyja.

Para ti, um abraço. Sempre consegui tempo para vistar os amigos, mas nos últimos dias é o que mais me falta - tempo. Nem percebo porquê.

Um beijo
 
Vim deixar um beijinho. Deixei uma sugestão no meu blog, se quiseres ver... e aparecer. Gostaria muito.
 
Não só em Portugal, mas no Brasil e no resto do mundo. Marido é tudo igual, só muda de endereço.
Nós mulheres é que no início do namoro estragamos nossos namorados com mimos e quando casamos nos tornamos escravas de suas vontades.
Também como mães, erramos em nosso excesso de zelo e não educamos nossos filhos adequadamente, preparando-os para uma vida a dois em igualdade de condições.

Beijos floridos.
 
GreenTea... é um projecto muito interessante o teu. Quem sabe um dia puderemos trabalhar juntas :) Eu deixei o endereço do site com informaçoes sobre o horario de funcionamento e preços das entradas. Espero que consigas ir. Penso que sera interessante. Na quinta sexta e sabado funciona das 15 as 23 no domingo das 10 as 19. Beijinhos
 
Sem dúvida, nós mulheres temos muito a aprender com Fermina Daza.
É certo que quem ama cuida, mas o excesso faz virar obcessão.
Beijos pra ti.
 
Jaja, maridos y mujeres ideales...
Me gusto este post.
Beijos!!!!
 
Nananinanão! Sem essa de café da manhã na cama, de comida que não serve...fazemos tudo desde que não seja obrigação.E quando fazemos, um elogio e um muito obrigada vão muito bem, sim senhor.

beijos metade sábado metade domingo.Eu ainda nem penso em me deitar vocês já estão quase a se levantar.
 
muitos homens precisavam passar poe este teste.
 
...lol...
Grande texto.
Bjs de Luz
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?