terça-feira, setembro 26, 2006

 

Cartas de amor

Cartas de amor - quem as nao tem?
Ele escrevia-lhe deliciosas cartas durante o seu desterro , naquele Outono de 1915, tempo de guerra , de sofrimento , de dor. Amou-a como ninguem. Ela tambem...

Outubro de 1915
Minha adorada Maria
A tua dor que é também a minha, senti-a bem fundo do coração, em torrentes de aflição. O que sofremos durante estes três enormes meses de separação, devemos esquecê-lo. A tristeza canta-a os poetas. A saudade é do Outono irmã das folhas secas que o vento levou para longe. Não devemos nunca prender a alma a um punhado de cinzas que ficam para trás.

Estes três malfadados meses que é forçoso considerar como chuva absorvida pelas areias do deserto, como o fugaz relâmpago que atravessa um instante o horizonte, devem ser eliminados do calendário do nosso amor; para isso torna-se necessário represar as lágrimas e renascer sorrisos. E assim o futuro surgir-nos-à repleto de tesouros, de alívios e borbulhões de felicidade.

Esperam-nos, como muito bem dizes, dias de amor puro, vibrante e triunfal, em que tu, meu bom anjo, com os teus mimos, com as tuas ternuras, com as tuas carícias e com todas as tuas provas de amor, darás a este lutador já cansado as consolações supremas e benéficas de que tanto carece a minha alma tempestuosa, já no declinar da vida.

Uma saudade infinda e um infinito beijo do teu e só teu
(Quadros de Claude Monet)

Comments:
E continua a haver cartas de amor? Ou serão mais e-mail de amor?
Beijos
 
Cartas de amor, quem as não tem...?

Kiss per tê, até outro instante!
 
Cartas de amor, quadros de Claude Monet. Tem coisa mais chique? Esses quadros só têm um defeito. Nunca vão estar na minha parede!!!

beijos em tom pastel
 
Lindo Grentea!
Já tive cartas de amor. Estão amareladas e guardadas em gavetas da memória. Em seu lugar agora há os mails, tão amorosos quanto,
embora sem cheiro, sem textura, sem o sabor da longa espera que era deliciosamente aplacada ao se ouvir a voz aguardada e familiar: carteiro!!!!
 
Greentea,

Carta linda. Post lindo.

Andam a desafiar-me para iniciar uma coisa de cartas, para um livro. Mas não, por enquanto.
 
Green,

Que bela carta de amor, com todos os ingredientes na dose q.b., bem ao gosto do início do século passado e, no entanto, sempre actual.

beijinhos

(Tenho saudades de escrever cartas, num papel bonito e a tinta permanente)
 
Eu tenho saudades de receber...
 
ja nao me lembro nem de receber nem de escrever...
hoje telefona-se, manda-se mails, greatings, ou d´´a-se uma olhadela cumplice no meio de uma reuniao de trabalho ou durante um janatr
mas verdade se diga, recebi cartas de amor sim, quando um dia parti para os confins de Angola e por l´´a estive seis ou sete meses sem ver rasto de civilizaçao e onde a 1ª carta (de amor) demorou tres semanas a chegar... ai de facto suspiravamos pelo correio!!
 
pitucha

talvez as cartas sejam agora mails ou sms ou as pessoas nao tenham a necessidade de escrever porque podem ver-se , falar-se, amar-se
antes tudo issso era vedado...
 
acho que todos astemos, louco

nem q fossem aqueles bilhetinhos q deixavamos na carteira da escola para a turma que vinha a seguir ...
 
pitanga

nao digasisso ...quem sabe algum apaixonado te oferece a dama branca de Monet??? ou acontece o imprevisivel....quem sabe?
 
leticia


de vez em quando vem-nos essas memorias

uma delicia para tardes de outono, passadas alareira...
beijos
 
antonio


e porque nao??

passariamos do amor ...as cartas de amor...


eh eh eh eh!!!
 
canela

faz temmmmmmmmmmmmmmmmmmpo , comprei um lindo papel destinado a esse fim , mas nunca o utilizei...
 
maria p


ainda nao chegou o momento...
 
Ainda gosto tanto de receber cartas pelo correio! Hoje o correio transporta contas e cobranças diversas e propagandas chatíssimas, sempre a nos tentar impingir coisas tolas...
O afeto virou comércio e, se os
e-mails substituiram as cartas, nada como abrir um belo envelope com um fino papel e doces palavras!
Grata pela visita à Ideália e que interessante a coincidência de nossas mães! Espero que a tua tenha sido doce e meiga contigo. Não tive esta sorte. Os primeiros meses foram de amor e orgulho, depois... muito descontrôle e agressões, ela tornou-se muito descompensada, pobrezinha!
 
Bom dia, bjinho.
 
Que lindo.
"Já não há canções (cartas) de amor como havia antigamente"
Gosto muito dos quadros de Monet-linda combinação.
Beijitos.
 
Greentea, o imprevisível mesmo seria eu ganhar no euro-milhões!!!!Aí, sim, quadros de Monet, Matisse, Van Ghogh.
Mas quanto às cartas, tenho uma resma delas. De um tempo...deixa pra lá.
beijos
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Vinha pôr o meu comentario e zapaz, outro post.

Não faz mal fica aqui.

Cartas de amor? escrevi milhentas e recebi... emails damori? não devolvo-os...não têm os requisitos!

O individuo tem que ser a modos que parecidinho com o Brad Pitt, ter um iate, uma ilha, uma tranferencia bancaria para a minha conta de 1.000 milhões de euros.

Assim já podia pendurar os quadros de Monet na minha parede e oferecia mais meia duzia à Pitanga!

Beijos de água fresca
 
olha grao de areia

assim ate nem precisava dos monets...
metia-me no iate para dar a volta ao mundo, a transferencia a correr todos os meses, nem queria saber de mails nem de cartas de amor

vivia do sol, da natureza e duma s belas dumas iguarias que comeria quando aportasse algures...

bora, apanhamos ja o barquinho...
 
eu sou o sol vc e a lua e no eclipes minha boca beija a sua................eu gueria receber a resposta pelo correio
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?