domingo, março 12, 2006

 

vinhos de colares

Quando entraram no Malta, o criado veio bocejando, abrir na sala o bico do gás; uma luz crua , um pouco trémula…
-Então, que hão-de querer os senhores?
Viram a lista , decidiram-se por dois meios bifes.
E (Dâmaso) desdobrando o guardanapo, gritou com um movimento estroina:
-E colares branco, ó Manuel!
(Eça de Queirós – A Tragédia da Rua das Flores)




Colares foi durante o século XIX e XX uma região onde buscavam refúgio os habitantes abastados de Lisboa.Sintra e Colares eram então locais de eleição para fins-de-semana ou mesmo férias.Foi na Várzea de Colares que se desenvolveu a cultura da vinha distribuída por duas modalidades: a cultura em chão de areia e a cultura em chão rijo. Foi a primeira que deu fama ao vinho de Colares, um vinho que sempre esteve presente nas mesas aristocráticas e burguesas, tão bem descritas por Eça de Queiroz.Ignora-se quando se plantaram aqui as primeiras vinhas. No entanto, sabe-se que quando, em 1255, D. Afonso III fez a doação do Reguengo de Colares a Pedro Miguel e a sua mulher Maria Estêvão, obrigou-os a plantar as videiras que ele mandara vir de França. Vê-se, assim, que desde o século XIII, o vinho de Colares tem carta de nobreza, sendo levado frequentemente às mesas reais. No início do século XX o rei D. Manuel II distingue a região vitivinícola de Colares concedendo-lhe o estatuto de Região Demarcada.Em 1931 foi fundada a Adega Regional de Colares que actualmente reúne mais de 50 por cento da produção da região e mais de 90 por cento dos produtores. O edifício é imponente, o seu interior é deslumbrante pela sua dimensão e número de tonéis que alberga, constituindo a zona de estágio e envelhecimento em madeira por excelência, desta Região Demarcada. Esta adega cooperativa sempre foi considerada um cartão de visita nacional. Por lá têm passado destacadas figuras da política e da cultura nacional e internacional, principalmente em refeições, festas e provas de vinho, que se organizam na sua nave principal.
No início do século XX, o rei D. Manuel II distingue a região vitivinícola de Colares concedendo-lhe o estatuto de Região Demarcada. Colares é Denominação de Origem Controlada desde 1908, a Região Demarcada mais ocidental da Europa Continental e a mais pequena região produtora de vinhos tranquilos do país.




O vinho tinto de Colares é, até hoje, feito na Adega Regional de acordo com as técnicas tradicionais, sendo composto por cerca de 80 por cento de uvas de casta "Ramisco" e 20 por cento de outras castas, com predominância das castas "Molar" e "João Santarém". Quanto ao vinho branco, a casta principal é a "Malvasia de Colares", a qual dá origem a vinhos de cor citrina de aroma frutado e floral.
A Adega Regional de Colares está aberta ao público de segunda a sexta-feira, das 9H00 às 13H00 e das 14H00 às 18H00. Durante este horário é possível visitar gratuitamente a Adega e comprar vinho. Para visitas de grupos ou visitas com acompanhamento técnico é necessário efectuar marcação prévia através dos números: 21 9291210/21 9288082 ou ainda pelo e-mail adega-regional-colares@clix.pt. Neste caso, além do edifício principal, podem ser visitados os lagares.
(Textos do site C.M. Sintra)

O vinho é excelente, por vezes dificil de encontrar noutros locais de venda, e a Adega lindissima.

Não esqueço uma representação de "A Carmen" a que lá assisti, que lhe deu tonalidades inesperadas.




Comments:
Boa noite, ou bom dia, sem vinho. Só bebo água. Café e chá. Sem insónias, espero...bjinho.
 
Um belo texto, muito bem elaborado, homenageando Colares, um local paradisíaco e com muito bom vinho.
Gostei do que li e das imagens que ilustravam o post.
Bom início de semana.
Beijokas.
 
o que aprendi aqui esta madrugada...

Beijos!
 
Spartakus, um copo de puro e genuino Colares só faz bem a todos os sentidos. Gosto por vezes de um (BOM!) vinho a acompanhar algumas refeições. Em doses moderadas, claro. A tua zona tb os tem - de qualidade.
E hoje dormi bem. Bom dia

e é como digo, lazuli, um copo de Colares refresca a mente, traz-nos energias novas e tb é bom para a circulação
 
adoro Colares:)
vou lá muitas vezes tomar um cafézinho:)
xi
maria de são pedro
 
.....lindo, Sintra é e arredores lindíssimo, o vinho de Colares fantástico......
 
Fiquei entusiasmada para ir visitar a adega que não conheço. Do vinho, só já bebi o branco. Muito interessante ires-nos contando estas coisas. E então acompanhadas de textos literários, é delicioso. tem outro sabor. Como o vinho...
 
fotoescrita - esta ideia vem da t. do "Por um fio"
que começou a reler a obra de Queiroz e a fotografar os locais referidos, em Lisboa;
depois eu lembrei-me de Sintra sempre referida nos txtos de Queiroz... vai daí... tem sido um desafio
 
Pois é pois é. Um tinto na hora... foi uma saborosa visita.
 
para afastar as sombras do caminho, que isto hoje está muito morto.
Deve ser do sol estão todos na praia...bem q me sabia ...ir até às maças ou à adraga
 
Uma excelente homenagem a esse néctar divino! Saúde!
 
que indicações preciosas... obrigada.
 
Ah! Tudo tão lindo por aí!
Para mim, Sintra é dos sítios mais bonitos do mundo!
Cito Lord Byron (que deve ter oensado o mesmo...)

"Lo! Cintra's glorious Eden intervenes
In variegated maze of mount and glen.
Ah me! what hand can pencil guide, or pen,
To follow half on which the eye dilates
Through views more dazzling unto mortal ken
Than those whereof such things the bard relates,
Who to the awe-struck world unlocked Elysium's gates?"

Bom, mas temos que reconhecer que a poesia acompanhada com Vinho Colares vai muito bem!
 
Boa tarde!
O teu comentário no meu kalinka, hoje, deixou-me bastante comovida e de lágrima escorrendo pela face, pois é assim, que eu também vejo a minha vida:
qd precisamos, qd estamos down, aqueles q se diziam nossos amigos pouco ou nada aparecem Cansam-se , têm a vida deles muito ocupada, coitados.
Na net e nos blogs encontrem a deliciosa sensação de ter uma palavra aqui e acolá de animo , de apreço, de suporte.

É O QUE ESTÁ A ACONTECER COMIGO, precisamente...
Como tu me entendes!!!
Obrigada pela tua visita e pelas lindas palavras de apoio. Beijos.
 
O que eu aprendi aqui, Greentea!
Belíssimo texto sobre o vinho de Colares a partir dum diálogo do Eça! Imagens muito bonitas, denotando bom gosto, sentido estético.
Gostei imenso e, apesar de não apreciar vinho, quase que me apetecia provar, para me refrescar nesta bela tarde quente de quase Primavera.
Bjinho
 
Por detras da placa " Património Mundial "(foto de baixo) estão as melhores Queijadas do Mundo. Vão lá e provem.
 
referes-te á sapa, travessias?
gosto imenso de lá ir e ficar naquela sala do fundo à janela q dá para o vale. além das queijadas tem outros bolos maravilhosos, como a tarte de maçã e canela e outras preciosidades caseiras, feitas ALI!
 
um vinho excelente, embora já há algum tempo que não bebo
besitos
 
Bem, estou a ver que um dia destes tenho que ir dar um passeio por esses lados, porque além de Colares e do bom vinho, parece-me que existem muitas outras coisas deliciosas para quem está com carências afectivas...

Que bom seria podermo-nos encontrar na SAPA e ficar naquela sala do fundo à janela q dá para o vale.
Porque...tudo me parece divinal...além das queijadas tem outros bolos maravilhosos, como a tarte de maçã e canela e outras preciosidades caseiras, feitas ALI!
Tens que me indicar onde isso fica, combinado?
Beijokas.
 
Colares... e eu sem tempo para...

ai! deixo dois beijinhos e a promessa de que voltarei... logo que possível para saborear tudo.
 
kalinka,o travessias q tb é de sintra já disse onde fica : por trás do placard do património mundial e é mesmo naquele prédio rosa q se vê. A rua ? chama-se a volta do Duche não levas nenhuma banhada - é mesmo um Duque q por lá passeava... e pode ser q apareça um Principe... isso já não sei. Cmões, Lord Byron sempre cantaram os seus amores em Sintra...
Quem sabe?
Até já te estou a ver +bem disposta! Sonha com as queijadas. e com o Principe.
 
Apenas posso dizer que não me lembro de ter provado o vinho de Colares (também, bebo só ao almoço, e habituei-me ao alentejano…), e que apreciei imenso a forma como dás a conhecer um pouco da história do vinho e dos lugares… A imagem das Azenhas está um espectáculo e as outras também as conheço...
Belo post...
 
Olá! G. Boa boite!
Já percebi que o teu vinho Colares «animou» muita gente...
As imagens e as palavras ajudam muito, mas um bom vinho (desde que bebido com moderação, como dizes)em boa companhia e em boa tertúlia é a coisa melhor do mundo!
Já bebi Colares branco e tinto, mas eu prefiro sempre os tintos.( O Dâmaso, pelos vistos, preferiu o branco, mesmo com uns bifitos...)
Bem, e assistir à Carmen com um copo de Colares na mão deve ser uma coisa...
Um beijo e boa noite!
 
o Damaso foi beber o colares e comer os bifitos depois de sair do Teatro S. Carlos - é bom q descubras aonde é o Malta, q nisso já não é da minha área...
Dorme bem
 
Muito obrigada pela visita ao meu blog!
O seu está cada vez melhor!
Beijinhos,
Daniela.
 
Ah! Mas ajuda-me lá...
Dá-me umas pistas para descobrir esse Malta...
Sabes que sobre a "Tragédia da Rua das Flores" não tenho grande material comigo (e ando com muita falta de tempo para fazer grande trabalho de investigação). O único material que tenho comigo, além de umas poucas obras, é de um fundamentalista do Eça para quem a "Tragédia da Rua das Flores" passa ao lado, pois esta é considerada uma obra que tem origem em editores menos escrupulosos...
Eu gostei muito de ler a "A Tragédia da Rua das Flores", e li-a logo assim que foi publicada, mas foi muito controversa a sua publicação.
Eu não sou especialista de Eça, faço isto apenas com o pretexto e pelo gozo de tirar mais umas fotografias a Lisboa. E realmente a «geografia» queirosiana coincide com o que mais gosto de Lisboa...
Então, cá fico à espera da tua dica...
Bj.
Boa noite!
 
Belo post amiga...belissimo!
Grande senhora e esplendida anfitriã da sua região e arredores!
Foi na noite de insónia? lol
Muitos e muitos beijinhos
 
não, estrela, não foi na noite de insónia
foi no domingo passado quando passei à porta não da Mariquinhas mas da Adega
porque tudo isto é um fado...
 
para a t.
eu não sei nada de Eça, nem sequer sou das Letras e pouco letrada,
simplesmente achei piada à ideia QUE é TUA - de divulgar livros , assim. Tu é q começaste com as tuas lindissimas fotografias sobre os locais descritos por Queiroz!
beijinhos
 
Oh amiga Greentchéa !

Que bom é recordar sítios que conheço tão bem !

Essa via... que passa à porta da Adega de Colares.
Nunca lá entrei, mas o vinho... enfim... não digo mais nada ...Ainda tenho na garrafeira algumas " Colares" tinto, com mais de 20 Anos.

Deve estar cá uma pinga ...

Bji
 
Olha aniga conheceste o Casal Mindelo?

Beijos
 
casal mindelo é um vinho ou um lugar?
 
Que saudades dos vinhos de Colares!
Aqui no Brasil nem cheiro! :)
Visitem: http://portugaemnatal.blogspot.com
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?